CVM e OCDE renovam parceria para promover educação financeira no Brasil e América Latina

Acordo envolve iniciativas de inovação tecnológica, como fintechs, e finanças sustentáveis

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) assinaram um Memorando de Entendimento que prorroga a parceria iniciada em 2016, por meio da qual foi instituído centro de educação financeira para América Latina e Caribe (OECD/CVM Centre on Financial Education and Literacy in Latin America and the Caribbean).

O documento de cooperação também inclui novos temas no campo de atuação do Centro CVM/OCDE de Educação Financeira: inovação financeira e finanças sustentáveis.

O Centro de Educação Financeira OCDE/CVM está atualmente localizado na sede da CVM, no Rio de Janeiro.

O centro está integrado à Rede Internacional de Educação Financeira da OCDE.

Destaques

São alguns resultados dos primeiros três anos de parceria:

  • Realização de Seminários regionais de Educação Financeira, em 2017 e 2018, além do Simpósio Global de Educação Financeira da OCDE, em 2019, com o com o tema Pense grande: educação financeira para necessidades de curto prazo e objetivos de longo prazo. Os eventos reuniram quase 700 participantes e foram realizados em parceria com a B3 e a Anbima, membros do Comitê Consultivo de Educação da CVM.
  • Formação da Rede Regional da ALC da Rede Internacional de Educação Financeira da OCDE, para apoiar o desenvolvimento e implementação de programas e políticas sobre o assunto. Atualmente, 39 autoridades governamentais de 19 países da região da América Latina e Caribe são membros da rede.
  • Tradução de documentos de políticas da OCDE para português e espanhol.
  • Criação da página do Centro no Portal da OCDE.

Planejamento

Em 2020, o Centro planeja a publicação de um relatório sobre educação financeira na região, em cooperação com membros e parceiros da Rede Internacional de Educação Financeira; a realização de um novo seminário regional, desta vez na cidade de São Paulo; e o apoio a projetos de educação financeira específicos, como projeto de educação financeira para indígenas, na Amazônia, além da tradução de novos documentos de políticas educacionais da OECD para espanhol e português, apoiando a disseminação das informações na região.

Fonte: CVMhttp://www.cvm.gov.br/noticias/arquivos/2020/20200214-1.html

Artigos Relacionados

Comente aqui